7.06.2008

Série Pronomes - Ele

Ele carrega nos ombros o peso dos anos. Traz tatuado no corpo uma longa película – a da sua vida. Há episódios sobrepostos, que se entranham na carne e abrem feridas em becos recôndidos da memória.
Ele pensa que as rugas foram feitas para encobrir aquilo que quer esquecer. Por isso quando olha as mãos, só vê as caras que afagou, os seios que apertou, os corpos que percorreu. Raramente vê os rostos de quem fez sofrer, raramente vê o sangue que derramou.
Ele delicia-nos com as suas histórias (e as outras que nunca conta). Ele transporta no corpo um pouco do seu mundo; os calos do trabalho árduo, a pele gasta de anos de sol. O frio áspero foi-lhe levando pouco a pouco o brilho jovem dos olhos. Os olhos que viram pessoas chegar e partir, viram o primeiro amor, o último, viram o mundo mudar em seu redor, e perceberam que não havia mais espaço para ele nesse novo mundo.
Ele, vive agora um dia de cada vez, e lembra com saudade aqueles dias que passaram rápido demais.
Ele acenou-me com uma foto:

“Um dia falo-te d´ela